Retalhar Pontos e Golos


(21/10/2023) No que diz respeito à meteorologia, nunca há uma unanimidade. Todos concordamos que a chuva faz falta, mas a esmagadora maioria das pessoas gosta mais do sol.

Para conseguirmos encontrar um consenso sobre este tema, talvez a solução fosse chover de noite e ausência da mesma durante o dia, mas mesmo assim nem todos ficariam satisfeitos, nomeadamente os mais noctívagos.

Depois do início de outubro com temperaturas muito altas, esta semana que está a terminar trouxe a Babet e a Aline, duas depressões femininas que trouxeram muita água e vento, mas parece que mais uma chega amanhã, esta do sexo masculino, “muita cavada e anómala”, como explicou o IPMA, de nome Bernard.

Enquanto ele não chega, ligo o portátil à espera de me encontrar com a juventude, neste sábado que está cinzento, obviamente, já a pedir chuva.

“Bom dia Tio”, cumprimentaram-me eles, enquanto me diziam adeus.

“Bom dia juventude. Então como correu esta semana com mau tempo?”.

“Chuva, muita chuva, com o vento a complicar ainda mais a nossa vida”, explicou a RODINHAS.

“Que temporal! A Aline estava muito zangada”, riu-se o ALÉU.

“Nestas alturas, como não está muito frio, eu ando sempre de calções, para não molhar mais roupa”, explicou o OLHA.

“Parece-me uma excelente ideia, eu também sou adepto dessa opção. Antes de irmos à nossa agenda e ao fora da caixa, quem esteve atento ao derby de ontem?”.

“Eu!”, gritaram os três.

“Já calculava, mas para não dizerem que estou a favorecer um de vocês, hoje temos um convidado especial para falar sobre o jogo, sendo também uma oportunidade para o conhecerem. Boa noite AMAGADINHO”.

“Boa noite Tio, um abraço para esta extraordinária equipa”.

“Bolas, pensava que eras mais velho”, exclamou o OLHA

“Também eu”, afirmou a RODINHAS.

“Vá, não me envergonhem o miúdo, que ainda anda no secundário, enquanto vocês estão já estão a acabar a Faculdade”, brinquei eu. Conta-nos lá como foi o Sporting – Benfica”.

“Gostei do jogo, excelente ambiente no pavilhão, mas pareceu-me que quem jogou melhor acabou por perder, sendo que a eficácia foi decisiva, como aliás, em jogos entre equipas muito semelhantes, faz quase sempre a diferença, além dos golos de bola parada, como se diz na gíria. Por falar em objetividade, tenho uma ideia, mas vou guardá-la para segunda-feira”.

“Combinado, um abraço miúdo, até lá”.

“Um abraço para todos”, despediu-se o AMAGADINHO.

Fiquei a pensar. O que será que ele vai inventar desta vez?

“Vamos avançar para o fora da caixa. Alguém tem algum assunto?”.

“Tio, sabias que hoje é o Dia Internacional da Maçã?”, questionou a RODINHAS.

“Não fazia ideia”.

“Esse dia fez-me lembrar Adão e Eva”, afirmou o OLHA.

“Que engraçadinho”, ripostou ela. “Mas é verdade, eu que só uma fã deste fruto, principalmente daquela bem verde e ácida”.

“Uma boa oportunidade para elegermos o nosso fruto preferido. Cá para mim voto nas nectarinas”, avancei eu.

“Não sei o que é isso, mas gosto mais de morangos”, gozou o ALÉU.

“Eu gosto muito de uma bela talhada de melão, o problema é que só depois de o abrir é que se sabe o que está lá dentro”, finalizou o OLHA.

“Verdade, lá diz o ditado popular. Vamos à nossa agenda para esta semana. Para já, enquanto os campeonatos estão no início, vamos manter a mesma tática, sendo que eu vou ficar com a Terceirona, o OLHA espreita a Segundona, a RODINHAS fica com a Primeirona feminina, enquanto que o ALÉU vai até ao Dragão, num jogo que começa às 11 horas da manhã de domingo, em contraciclo com o que é habitual, mas que dá abertura a mais uma transmissão televisiva”.

“Como aconteceu ontem no João Rocha”, afirmou a RODINHAS.

“Uma maneira de promover – ainda mais – a modalidade”, corroborei eu. “Vamos prepararmo-nos para a refeição, mas antes que vocês perguntem, hoje vou eu fazer o almoço, um entrecosto estufado no tacho com umas belas batatas fritas”.

“Daquelas de Viana do Alentejo que comemos aí da última vez?”, perguntou o OLHA.

“Nem mais, um abraço para todos e até terça-feira”.

“Adeus Tio, vai lá tratar da refeição”, despediram-se eles, saindo de mansinho e eu fui para o fogão.

Divide-se entre jogar e treinar, mas é nesta segunda função que chega hoje ao FORA DO BANCO.

Nome Completo: Rui Pedro Cardoso Santos

Clube atual: CA Feira

Idade: 26 anos

Local de Nascimento: Santa Maria da Feira

Prato preferido: Francesinha

Melhor cidade para viver: Aveiro

Livro que está na mesa de cabeceira: Nenhum

O filme que já viu mais do que uma vez: Nenhum

Jogou hóquei em patins? Se sim, em que clube(es): AD Sanjoanense, HA Cambra, AD “Os Limianos”, Escola Livre Azeméis e CA Feira

Como/quando chegou a opção de ser treinador: Nas camadas jovens convidaram-me para ajudar na iniciação do clube, e a partir daí sempre quis aprender mais como treinador e evoluir

Clubes/seleções que já treinou: AD Sanjoanense, AD “Os Limianos” e CA Feira

Mais fácil treinar equipas da formação ou seniores: São diferentes, cada fase tem a sua adaptação e o seu nível de treino, não escolho nenhuma opção

Quanto tempo demora a preparar o próximo jogo da sua equipa: Durante os microciclos vai-se preparando os jogos conforme as necessidades dos atletas, há sempre uma outra adaptação, por isso não há um tempo exato de preparação

Se pudesse, que regra alteraria no hóquei em patins: Com esta nova alteração do apito nas bolas paradas, o livre direto teria que ser sempre de bola corrida e nunca remate e o penálti devia manter-se como está

Maior tristeza como treinador: Quando um atleta desiste

E, claro, a maior alegria: Muitas, mas não tenho uma alegria que seja maior que as outras

Para terminar, o que mais o irrita durante um jogo: Os pais.

(23/10/2023) Desde de sábado que fiquei com a pulga atrás da orelha.

Qual será a nova ideia que o AMAGADINHO tem para o hóquei em patins?

Não falta muito para ficar a saber, até porque chegou a hora combinada para a nossa conversa.

“Boa noite Tio”.

“Boa noite. Está tudo bem contigo?”.

“Na maior, vamos lá a isto”.

Será que ele se esqueceu?

“Quatro jornadas cumpridas, já tenho mais umas ideias para que o campeonato seja mais interessante”.

Afinal ele não se esqueceu!

“No sábado disse-vos que tinha uma ideia, mas antes de dizer qual é, entretanto, achei que uma outra medida podia ser implementada”.

Outra? Não sei se aguento!

“Então conta lá”.

“Acho que deviam ser premiadas as equipas que não sofressem golos, assim como castigadas as que não marcassem nenhum em cada jogo”.

“E qual era o castigo?”.

“Meio ponto positivo e negativo, conforme a situação”.

Já estava à espera de qualquer coisa assim.

“E a outra ideia?”.

“Essa fica para o fim. Sobre esta jornada referir que passámos a ter só três equipas sem derrotas – as que lideram a prova – enquanto que duas continuam só com derrotas. Uma curiosidade, o HC Braga só tem um ponto, conquistado frente ao atual campeão”.

“Vamos à tua meia-dúzia classificativa?”.

“Isso mesmo, começando com uma correção, tipo errata. O AMAGADINHO errou a semana passada. O Carvalhos continua no 1º lugar, mas com 1 ponto e não com zero como tinha dito, seguido do Famalicense (1), HC Braga (3), Juventude Pacense (3), Valongo (4) e Riba d’Ave (5) na 6ª posição”.

“E acho que temos ALMOFADA esta semana”.

“Acertaste, temos sim. Foi no Dragão que o Renato Garrido utilizou os dois guarda-redes, com o Gonçalo Guga Bento (AD Valongo) a sofrer dois golos que lhe deram o direito a ficar com ela”.

“Estamos a terminar, vamos lá a mais uma brilhante ideia”.

“Bom, em relação à minha ideia de sábado, ela é fruto de uma enorme reflexão da minha parte. Percebi que muitos dos jogos são resolvidos através de livres diretos ou penáltis, pelo que me parece que as equipas andam mais à procura de sofrer faltas do que marcar golos. Por isso, acho que por cada golo marcado de jogada corrida, cada equipa beneficiava de mais um quarto de golo”.

“Um quarto de golo!? Que dizer que cada golo que não fosse de bola parada valia 1,25 no resultado final?”.

“Exatamente, já percebi que me expliquei bem. Tio, para a semana estou de volta. Grande abraço”.

“Até segunda”.

Acho que ainda estou de boca aberta. O que será que ele vai inventar mais?

(25/10/2023) Com o Bernard a continuar a fazer-nos companhia, regressou também a Liga dos Campeões de futebol.

Já sei o que vocês estão a pensar. “Então ele não gosta que falem aqui de futebol, mas vai levantar o assunto?”.

Calma, muita calma, levantei o tema para explicar que hoje a nossa reunião teve uma alteração de horário, precisamente porque a juventude queria ir ao estádio ver o Benfica.

Conversámos, procurámos a melhor solução, sendo que já não era possível conversarmos na terça-feira, pelo que adiámos a nossa reunião para o dia seguinte, o que fez com que a publicação desta semana fique atrasada um dia, ou seja, vai surgir apenas na 5ª feira.

Explicação apresentada, era inevitável que o início da nossa conversa resvalasse para o pontapé na bola, mas eu já estava preparado.

“Boa noite Tio”.

“Boa noite juventude”, responderam com cara de poucos amigos.

“Tio, antes de começarmos, deixa-nos agradecer a tua boa vontade por nos teres deixado ir à Luz, sendo que até podíamos falar do jogo no fora da caixa”, argumentou a RODINHAS”.

“Podíamos, mas não vamos falar, porque eu já tenho dois assuntos para conversarmos esta noite”.

“Ok”, concordaram eles meio contrariados, com aspeto de quem tinha muito para dizer sobre o duelo luso-espanhol de ontem.

“Hoje é o Dia das Massas e o Dia dos Dentistas. O que vos apraz dizer sobre isto?”.

“Duas coisas de que não gosto nada”, reagiu o ALÉU.

“Não gostas de massa?”, perguntou o OLHA com um ar incrédulo.

“Não, eu nasci em Portugal, não em Itália”, brincou ele. “Gosto muita da cozinha tradicional portuguesa, mas sobre os dentistas, respeito muito o seu trabalho, mas não gosto nada de lá ir”.

“Estou de acordo, mas é importante irmos lá de vez em quanto fazer uma revisão”, afirmei eu. “Já sobre as massas, também estou contigo, não sou fã”.

“Tio, como é possível? Eu adoro!”, exclamou a RODINHAS. “Para mim é um dos melhores pratos, sendo que o meu preferido é uma bela lasanha. Já a cadeira do dentista atemoriza-me”, terminou ela com um sorriso amarelo.

“Estou contigo, é um local onde só vou porque sou obrigado. Já sobre a massa, eu estava bem em terras transalpinas. Uma bolonhesa, carbonara ou outra a fazer o pino, para mim é de qualquer maneira”, brincou o OLHA.

“Unanimidade sobre os dentistas, um empate na questão das massas. Bem, caixa fechada, vamos lá ao nosso trabalho, que é para isso que o Pedro Jorge Cabral nos paga”, ri-me eu até às lágrimas.

“Hoje começamos com o ALÉU que esteve de sofá, só com um joguito”.

“Isso é só para quem merece. Sobre o jogo, acho que vou aproveitar essa questão do sofá, tal a facilidade com que os azuis-e-brancos resolveram a partida, com um claro quatro a zero ao intervalo e uma segunda metade tranquila, ou seja, uma vitória sem espinhas”.

“Para a semana vou castigar-te com mais trabalho. Agora vamos ouvir por onde andou o OLHA”.

“Terceira jornada da Segundona, com um primeiro olhar à Zona Sul. Muitos golos, ninguém a zero, primeira derrota do Alenquer, Biblioteca e Oeiras, com Parede e Benfica B a fazerem o pleno até agora. Uma curiosidade nesta zona, em todas as jornadas tivemos um empate nos sete jogos realizados. Já na Zona Norte também todos os jogos tiveram golos, tivemos os primeiros empates da época, curiosamente o mesmo resultado (5-5), com Póvoa, Juventude Viana e Espinho a vencerem nas três jornadas realizadas”, conclui ele.

“Vamos até ao lado feminino do hóquei, com a RODINHAS, no arranque do campeonato a que vamos chamar Feminona, em vez de Primeirona feminina como tinha dito no sábado”.

“Parece-me um bom nome”, riu-se ela. “Este ano temos três zonas, Norte, Centro e Sul, com dezassete formações, pois a zona nortenha só tem cinco equipas. O que posso dizer sobre esta primeira jornada? Não tivemos qualquer empate, todas as equipas marcaram golos, três goleadas e um maior equilíbrio a Norte”.

“Muito bem, só falto eu que fiquei com a Terceirona. Apesar de estarmos na jornada cinco, o número ímpar de equipas em cada série, aliado a jogos em atraso, faz com que as análises sejam sempre muito redutoras. Temos olhado para as equipas que só sabem ganhar, mas hoje vou armar-me em AMAGADINHO e espreitar as formações que ainda não conquistaram qualquer ponto. Elas são dez, metade são formações B, três jogam nas nossas maravilhosas ilhas de Açores e Madeira. Aqui ficam elas: Famalicense B e Riba d’Ave B (série A), Paço de Rei, Carvalhos B e Espinho B (B), Nafarros, Marítimo Madeira, HC Madeira e Entroncamento B (C), e o HC PDL (D). Em contraponto, treze equipas ainda não perderam. Parece-me uma boa maneira para terminarmos esta semana, onde alterámos a data da publicação a pedido dos mais novos. Até sábado juventude”.

“Adeus Tio, e obrigado pela abébia”, riram-se eles.

Grandes malandros!

Foi em Oeiras que tivemos a SACADA desta semana, nada mais, nada menos que dezanove golos, com destaque para os guarda-redes do Cascais, José Lopes (7) e Rodrigo Patrão (5).

Se tivesse aqui o AMAGADINHO, o Rodrigo lá ficava com uma ALMOFADA.

Não é a primeira vez, mas a distinção final salta da mesma partida da SACADA.

Marcar sete golos num jogo não é fácil, António Nisa (Oeiras) conseguiu esse desiderato e fica com O VELHO desta semana.

Outras Notícias
Ateus, Agnósticos e Bons Garfos
Ver Mais
A Sétima Arte dos Cotonetes
Ver Mais
Piquenique dos Idosos com Vento, mas sem Stress
Ver Mais
Quinhentos Anos e Cinco Oceanos
Ver Mais
Crianças Boas, Adultos Maus
Ver Mais
África, os Maus e Outro Golpe de Estado
Ver Mais