Quatro Rodas de Livros e Vinil


(20/04/2024) Apesar de não ser uma data comemorada em Portugal, descobri que hoje se festeja o Dia do Disco de Vinil, ele que surgiu em homenagem ao músico brasileiro Ataulfo Alves, que morreu em 20 de abril de 1968, sendo que dez anos depois, os saudosistas e colecionadores de discos decidiram dedicar esta data para celebrar a sua paixão pelo vinil.

Também eu fiz parte deste grupo de apaixonados pelos discos, que terá começado, por esta altura em que a data começou a ser festejada no Brasil, ano em que completei 19 anos.

Mas já antes de ter discos e o indispensável gira-discos, tinha um pequenino gravador de cassetes – a juventude nem sonha o que é – com o respetivo microfone que servia para gravar as músicas que mais gostava, ouvindo os programas na rádio, sendo sempre uma irritação quando o locutor falava no meio das mesmas, pelo que o Quando o Telefone Toca era o palco ideal para um registo sem interrupções.

Recuando a esses tempos, fico com a sensação de que isto era um bocadinho de pirataria, mas com atenuante de que uma cassete era bem mais barata de que um single – um disco pequeno – lá podiam gravar-se muitas músicas, eram para uso próprio e não para benefício financeiro.

Quando mais tarde chegou o primeiro gira-discos, com o tempo fui percebendo que o principal problema era ter uma boa agulha, coisa que não era fácil de arranjar e um bocadinho onerosa, além de que elas se deterioravam com alguma frequência, já os discos, principalmente aquelas faixas mais ouvidas, ficavam riscados e essa música já era, ficando numa irritante repetição.

Por esta altura eles começaram a surgir nas suas pequenas janelas, aguardei que estivessem por lá os três e recebi a saudação.

“Bom dia Tio”.

“Bom dia juventude, está tudo bem?”.

“Foi uma boa semana, com um tempo excelente”, afirmou a RODINHAS.

“Calor demais para esta altura do ano”, resmungou o ALÉU.

“Hoje já está mais fresco”, referiu o OLHA.

“Sim, por aqui também se nota que a temperatura baixou um bocadinho, aliás hoje aqui já choveu um pouco. Alguns de vocês não sabe o que é um disco de vinil?”.

Eles entreolharam-se os três, mas ninguém disse nada.

“Esse silêncio é um sim?”.

“Tio, já ouvi falar, mas não sei bem o que é”, confessou a RODINHAS.

“Eu sei o que é, mas acho que nunca tive nenhum na mão. Trata-se de círculo preto, que vem dentro de um quadrado de cartão e que tem músicas lá dentro”, riu-se o ALÉU.

“O meu Pai tem muitos, coloca-os no aparelho onde eles rodam e dão música, mas o som que sai deles tem menos qualidade do que um CD”, afirmou o OLHA.

“Parece-me uma boa explicação. Comecei a adquirir os meus primeiros discos quando tinha, sensivelmente, a vossa idade, talvez um bocadinho antes. Os primeiros que comprei ou me ofereceram eram os singles ou 45 rpm (rotações por minuto), mais pequenos, com duas a quatro canções, depois foram chegando os de 33 rpm, álbuns com muitos temas, alguns deles duplos, mas todos eles, pequenos ou grandes, com essa característica de terem dois lados com música”.

“A sério!? Mas um CD ou DVD só toca de um lado”, constatou a RODINHAS com ar de espanto”.

“Pois é, mas o vinil era assim, e as capas de alguns discos eram autênticas obras de arte que marcaram gerações. O mais curioso é que depois de terem praticamente desaparecido do mercado, os discos à maneira antiga voltaram a surgir, com muitos trabalhos a serem editados em vinil e digital”, expliquei eu.

“Estou com comichão na ponta dos dedinhos! O Tio fez-me nascer o entusiasmo pelos discos. Quando tiver uns euros disponíveis vou comprar um gira-discos e um disco, que até já sei qual aquele com que me vou estrear”, riu-se a RODINHAS.

“Como fazes anos em breve, lanças a dica aos teus Pais, sendo que aqui a rapaziada até te pode oferecer um cheque-disco”.

“Isso sei o que é, excelente ideia”, gritou ela radiante.

“Vamos mudar a agulha dos discos para o hóquei, mas já não me recordo quem é esta semana a fazer o Plano de Festas”.

Hello, és mesmo tu”, recordou o OLHA com olhar de gozo.

“Caso para dizer que é sempre o burro que fala”, afirmei eu em conjunto com uma grande gargalhada. “Vamos lá a ela, como é habitual o AMAGADINHO trata da Primeirona, a RODINHAS vai até à Póvoa de Varzim, o ALÉU ruma à Parede, dois jogos da Segundona e respetiva visão global de cada uma das séries, o OLHA vai focar a atenção na Terceirona, enquanto que eu vou espreitar o que se passa nos dois grupos da Feminona”.

“Só falta uma coisa Tio”, disse o ALÉU.

“Do que é que me esqueci?”.

“De nos dizeres o que é o almoço hoje”, riram-se o três.

“Claro, só faltava a ementa para este sábado, que mais uma vez vem do Camponês”.

“Não me digas que é choco frito”, brincou o OLHA.

“Não me importava, mas hoje é cabidela de frango”.

“Bolas Tio, não gosto nada, aliás, coisas com sangue não consigo comer”, confirmou a RODINHAS.

“Não sabes o que é bom”, afirmou o ALÉU.

“Também aprecio muito, mas gostos são gostos. Até terça-feira juventude”.

“Adeus Tio”, despediram-se eles saindo em velocidade furiosa.

A mesa está posta, salada de alface e coentros temperada, só falta chegar o franganito envolvido no arroz.

Nasceu, jogou e é treinador na sua terra, pelo que hoje no FORA DO BANCO temos um verdadeiro homem da casa.

Nome Completo: Horácio Miguel Lopes Ferreira

Clube atual: Riba d’Ave Hóquei Clube

Idade: 40 anos

Local de Nascimento: Riba de Ave

Prato preferido: Picanha

Melhor local para viver: Perto da praia

Livro que está na mesa de cabeceira: Liderator, Luís Lourenço e Tiago Guadalupe

O filme que já viu mais do que uma vez: Sozinho em Casa

Jogou hóquei em patins? Se sim, em que clube(es): Sim, Riba d’Ave

Como/quando chegou a opção de ser treinador: Muito cedo, na altura era jogador da equipa sénior, 3ª/4ª época, e foi-me proposto treinar os iniciados, aceitei e depois o gosto pelo treino foi crescendo até hoje

Clubes/seleções que já treinou: Riba d’Ave, CAR Taipense e HC Braga

Mais fácil treinar equipas da formação ou seniores: Acho que as duas tem os seus prós e contras, mas prefiro treinar seniores

Quanto tempo demora a preparar o próximo jogo da sua equipa: Para além dos treinos, várias horas a observar vídeos do adversário

Se pudesse, que regra alteraria no hóquei em patins: O livre direto e o penálti, acho que ao apito do arbitro o guarda-redes deveria poder movimentar-se livremente, pois como está cria sempre a dúvida se saiu ou não antes

Maior tristeza como treinador: Descida à 2ª divisão 2011/2012

E, claro, a maior alegria: Subida à 1ª Divisão 2010/2011

Para terminar, o que mais o irrita durante um jogo: A dualidade de critérios da equipa de arbitragem.

(22/04/2024) Desde o regresso do AMAGADINHO, depois das férias da Páscoa, que tenho vindo a refletir sobre a sua atitude.

Ele moderou o seu comportamento mais impulsivo, pensei que fosse devido ao frio que apanhou na serra, mas de repente descobri o motivo, bem mais simples do que eu imaginava: Cresceu!

Mistério desvendado, está na hora de ir falar com ele.

“Boa noite Tio”.

“Boa noite miúdo, está tudo bem?”.

“Tudo em grande. A fase regular da Primeirona está a duas jornadas do fim, mas a grande notícia desta jornada foi a primeira vitória do Carvalhos, ao fim de duas dúzias de jogos”.

“Verdade. Já que falas no lanterna vermelha, a luta pela descida e pelo 7º e 8º lugares quase que se confunde”.

“Exatamente, apesar de o Turquel, para não descer, precisar de vencer os seus jogos e esperar por alguns milagres. Relativamente às duas vagas para o play-off, o Valongo é o que está melhor, mas ainda temos mais cinco formações com hipóteses… para o melhor e o pior, sendo que na próxima jornada tudo poderá ficar esclarecido de forma mais clara. Relativamente a esta ronda o Sporting caiu para o 3º lugar, por troca com a Oliveirense, sendo que o FC Porto precisa de quatro pontos para garantir o 1º lugar, sempre vantajoso em caso de desempate na fase a eliminar”.

“Para onde vai a ALMOFADA desta semana?”.

“Desta vez viaja até ao Barreiro, pois por lá os bês do Sporting derrotaram os da casa e o guarda-redes João Caldeira (Fabril) sofreu 4 golos e fica com ela”.

“Só falta a tua meia-dúzia classificativa”.

“Sempre com o Carvalhos na frente (9 pontos), 2º lugar para o Turquel (21), seguidos do Famalicense, HC Braga, Murches e Riba d’Ave, todos com 30 pontos. Por hoje é tudo, sendo que para a semana estou de folga, não é Tio?”.

“Pois é, não há Primeirona, pois é o fim de semana da final a quatro da Taça de Portugal em Barcelos. Voltamos a falar daqui a duas semanas, adeus AMAGADINHO”.

“Xau Tio”.

Está confirmado, o miúdo cresceu muito nas férias.

(23/04/2024) Esta semana temos muita cultura nestas linhas de palermice semanal, pois se no sábado falei aqui de discos e música, hoje comemora-se o Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor, data instituída pela UNESCO em 1995.

Esta data foi escolhida por ser um dia importante para a literatura mundial, pois a 23 de abril de 1616 faleceu Miguel de Cervantes, no mesmo dia de 1899, nasceu Vladimir Nabokov, sendo que o 23 de abril o também o dia em que nasceu e morreu o famoso escritor inglês William Shakespeare.

Além dos que entraram na minha vida por obrigação escolar, muito cedo nasceu o meu interesse pela leitura, mas o livro, quando eu era muito miúdo, era um bem caro, até porque para o regime vigente nessa altura e que caiu há 50 anos, a ignorância era uma virtude para os fascistas que nos governavam.

Felizmente – para mim – um ano antes de eu nascer foi criado o Serviço de Bibliotecas Itinerantes (SBI) criado pela Fundação Calouste Gulbenkian, que se destinava ao público com menor acesso à educação e cultura, habitando nas regiões mais desfavorecidas e estendendo-se a todas as faixas etárias, mas foi entre os mais novos que teve melhor acolhimento.

Há pormenores de que já não me recordo, nomeadamente a frequência em que ela chegava a Alverca – acho que era quinzenalmente – mas tenho na minha memória aquela carrinha Citröen, cinzenta e de chapa ondulada que parava em frente ao Cine-Teatro, trazendo lá dentro muitos livros e emoções.

O processo era simples, escolhia-se os que queríamos levar para casa para ler, era preenchido um documento com os nomes deles – penso que havia uma quantidade limite – sendo que na próxima visita da SBI entregávamos estes e levávamos outros, sempre com o entusiasmo redobrado e os dias contados no calendário para próxima chegada daquelas quatro rodas culturais.

Ao longo dos anos as bibliotecas fixas foram aumentando no país, principalmente depois do 25 de abril, sendo que este serviço foi extinto em 2002.

“Boa noite Tio”.

“Boa noite juventude”.

“Mais uma vez a rever o passado?”, questionou a RODINHAS

“Por acaso estava, como sabias?”.

“Estavas com cara de miúdo pequeno”, explicou ela com uma gargalhada.

“Eram memórias antigas, sem dúvida. Vocês sabiam que há muitos anos existiam umas bibliotecas que nos traziam os livros até à porta de casa?”.

“A sério!?”, entreolharam-se os três.

“Verdade, mas hoje não tenho tempo para vos dar pormenores, até porque já é tarde, mas um dia destes conto-vos. Este tema veio a terreiro porque hoje é o Dia Mundial do Livro. Vocês são daqueles que têm sempre um livro em andamento ou os estudos não deixam?”.

“Sim”, confirmaram os três aos gritos.

“Muito bem, eu atualmente estou a ler O Herdeiro de Monsaraz de Diana Vieira, e a juventude?”.

“Neste momento estou quase a terminar O Segredo do Vaticano, autoria de David Leadbeater”, afirmou o OLHA.

“Eu comecei a ler um livro de Gonçalo Cadilhe, um escritor de viagens, de nome 1Km de Cada Vez”, informou o ALÉU.

“Há dias terminei um, mas em cima da mesa de cabeceira já está A Breve Vida das Flores de Valérin Perrin”, divulgou a RODINHAS.

“Muito bem, nunca percam esses hábitos de leitura que fazem muito bem à nossa cabeça. Deixemos a literatura e vamos ao nosso desporto preferido, e podemos começar já por ti”.

“Obrigado Tio, sempre um cavalheiro”, riu-se ela. “Era uma verdadeira final para as duas equipas, não tivemos muitos golos, mas tivemos incerteza até ao fim com a vitória, bem pertinho do buzinão final – como o Tio gosta de dizer – a sorrir à malta da Póvoa, que agora estão no 2º lugar com mais um ponto que a Juventude de Viana, a quatro jornadas do fim, com a Sanjoanense na frente com 10 pontos de avanço, mas um jogo, ainda, numa gaveta da secretária disciplinar, enquanto que na zona de descida as dúvidas ainda são muitas, mas com a Escola Livre em grande perigo”, concluiu ela.

“Continuamos na Segundona, e que grande jogo eu vi na Parede!”, exclamou o ALÉU. “A rapaziada de Valado de Frades jogava a última cartada, entrada forte com dois golos de vantagem, reação dos locais, que chegaram ao intervalo a perder por um, com sete marcados. Se a primeira parte foi boa, a segunda ainda foi melhor, cedo o Parede passou para a frente, ainda consentiu uma igualdade a 6 minutos do fim, mas os derradeiros cinco minutos foram de loucos, de novo dois de avanço para os da casa, com a Biblioteca ainda a conseguir chegar à quarta e derradeira igualdade no jogo, ficando a três pontos do Parede e Paço de Arcos – perdeu na casa do aflito Sintra – num dia em que o Candelária também jogou na Linha e venceu, dilatando para oito pontos a sua vantagem para os segundos classificados, numa altura em que estão doze em disputa, já lá por baixo o Grândola continua muito perto da Terceirona, mas ninguém já está despromovido, com seis formações – alentejanos incluídos – a querem fugir aos três lugares fatais”, finalizou ele. 

“A Terceirona foi a minha praia esta semana, sendo que por aqui ainda estamos a seis jornadas do fim da prova, com o Limianos na frente da série A e mais seis pontos que o Lavra, na série B lidera o OH Sports, com o Leiria e Marrazes a 4 pontos, o Alcobacense não jogou esta semana e foi ultrapassado pelo Tojal, que está na frente da série C com mais um ponto e mais um jogo, já na série D o Marítimo de Ponta Delgada segue tranquilamente na frente, com mais 16 pontos e mais três jogos que a equipa B do Sporting”, terminou o OLHA.

“Ou seja, tirando a equipa açoriana, ainda está tudo em aberto para a subida de divisão. Eu esta semana fui espreitar a Feminona, prova que por esta altura se disputa em dois grupos (1 e 2) de oito equipas, que se encaminham a patinadas largas para o fim, sendo que para os mais distraídos, recordo como vão ser as coisas quando terminar esta fase de grupos. Entramos então nos oitavos de final, que se vão disputar entre os quatro primeiros do grupo 2 e os quatro últimos do grupo 1, os quatro primeiros do grupo principal, que nesta altura são o Benfica, Turquel, Escola Livre e Feira, ficam à espera dos vencedores para jogarem os quartos de final, e daí até à final”.

“Uma matemática um bocadinho complicada”, gozou o OLHA. “Uma dúvida, todos esses jogos a eliminar são à melhor de três, certo?”.

“Exatamente, quem vencer duas vezes segue para a eliminatória seguinte, com o pormenor de que nenhum pode terminar empatado, recorrendo-se a prolongamento e grandes penalidades como último recurso. Depois desta comprida explicação, está na altura de me despedir até para a semana”.

“Adeus Tio, até sábado”.

Olhei para o relógio e conclui que a quarta-feira estava quase a chegar.

Há 50 anos vivíamos numa ditadura.

Que ninguém, NUNCA, se esqueça disso!

Foi um jogo daqueles que o público adora, os treinadores nem por isso, mas um empate (8-8) é sempre uma excelente propaganda da modalidade.

A Biblioteca jogava neste jogo a possibilidade de se manter na corrida pela subida, Tiago Silva fez um poker e fica com O VELHO desta semana.

Outras Notícias
Ateus, Agnósticos e Bons Garfos
Ver Mais
A Sétima Arte dos Cotonetes
Ver Mais
Piquenique dos Idosos com Vento, mas sem Stress
Ver Mais
Quinhentos Anos e Cinco Oceanos
Ver Mais
Crianças Boas, Adultos Maus
Ver Mais
África, os Maus e Outro Golpe de Estado
Ver Mais