Crianças Boas, Adultos Maus


(1/06/2024) Hoje não foi preciso andar a vasculhar no Google para descobrir que neste sábado é o Dia Mundial da Criança, pelo menos em Portugal, pois é celebrado em datas diferentes nos vários cantos do Mundo, por exemplo, no Brasil, é a 12 de outubro.

A ONU escolheu o 20 de novembro para celebrar o Dia Mundial das Crianças, porque foi nesse em dia, em 1959, que foi adotada a Declaração dos Direitos da Criança, precisamente 23 dias antes de eu nascer.

São tantas as datas diferentes dos festejos do dia da petizada, que fui à procura por aí fora, encontrando logo no Dia de Natal, onde se festeja em vários países africanos, por exemplo nos Camarões e Gabão, Honduras a 10 de setembro, no México a 30 de abril, na Índia a 14 de novembro, e na Argentina no segundo domingo de agosto.

Para finalizar esta busca, de referir que no Paraguai, devido ao esforço do historiador Andrés Aguirre, esta data é comemorada a 16 de agosto, data da Batalha de Campo Grande – conhecida pelos paraguaios como Batalha de Los Niños – em homenagem às crianças-soldado recrutadas por Solano López, devido à falta de homens no exército paraguaio e mortas no referido combate durante a Guerra do Paraguai, o maior conflito armado internacional ocorrido na América Latina, travado entre o Paraguai e a Tríplice Aliança, composta pelo Império do Brasil, Argentina e Uruguai, guerra que se estendeu de dezembro de 1864 a março de 1870.

Deixemos para trás estes terríveis acontecimentos, valorizando este magnífico dia, porque as crianças são a melhor coisa que há ao cimo da terra.

Regressando ao calendário que não usei no início da Crónica, reparei que no feriado da quinta-feira passada havia muitos jogos que mereciam ser falados já hoje.

Considerando que esta semana o Plano de Festas era da responsabilidade do OLHA, enviei-lhe na 4ª feira a seguinte mensagem: “Como temos muitos jogos no feriado, faz já a escala para este fim de semana alargado e avisa a malta. Obrigado”.

A resposta só demorou meia-dúzia de minutos: “Tu ficas com a Segundona, o ALÉU com a Feminona, o apuramento de campeão da Terceirona é para a RODINHAS, enquanto que eu fico com a luta pela subida. Já os avisei. Abraço e até sábado”.

Tudo combinado durante a semana, esta manhã ainda tive tempo para descobrir que hoje faz 50 anos que nasceu a cantora canadiana Alanis Morissette, cantora que o Ricardo gostava muito quando era pequeno, disco que tocava em loop no carro quando viajávamos, sendo que se essa não fosse a nossa escolha, ele logo implorava “Oh Pai, põe a Alanis Monisete!”.

Os habituais ruídos no portátil sinalizaram a chegada da malta do hóquei.

“Bom dia Tio”.

“Bom dia juventude”.

“O que é o almoço hoje?”, questionou a RODINHAS, rindo tanto que quase não se percebia a pergunta.

“Só por causa da tua curiosidade apressada, hoje é surpresa”.

“Assim não vale!”, lamentou o ALÉU.

“No fim logo vejo se me apetece dizer o que vai ser a ementa. Vamos ao trabalho que hoje começa mais cedo, pois o feriado abriu uma janela para vários jogos. Sobre a Primeirona falo com o AMAGADINHO na 2ª feira, eu que hoje estou de folga, pois os dois jogos da Segundona são só logo à noite, o OLHA foi um querido”, brinquei eu.

“Foi para ficares com mais tempo para pensares no almoço”, gozou a RODINHAS. “Bem, vou já despachar a minha parte, com a 1ª jornada do apuramento de campeão da Terceirona, em Oliveira do Hospital o jogo esteve equilibrado até pouco mais de meio da primeira parte, mas depois a malta do OH adiantou-se de forma decisiva, liderando para já esta corrida pelo título, pois no outro jogo tivemos um empate em Ponte de Lima, depois de uma metade com os açorianos sempre na frente, na segunda parte os limianos conseguiram a única vantagem, já perto do fim, mas um golo do Marítimo nos últimos segundos, quando Júlio Soares apostou no 5×4, fez com tudo terminasse empatado”.

“A equipa insular que foi a melhor equipa na fase de grupos, sofrendo apenas uma derrota, no Casablanca, frente à equipa B do Paço de Arcos”, acrescentei eu. “E na luta pela subida?”.

“Tivemos duas partidas equilibradas, em Torres Vedras os leões tiveram em vantagem até meia-dúzia dos minutos finais, e acabaram por sofrer o empate dos leirienses, já em Sacavém, casa do Sporting B, os miúdos de Ricardo Barreiros tiveram quase sempre na frente, ainda sofreram o empate aos onze minutos da segunda metade, mas nesse mesmo minuto responderam com dois golos e arrumaram a questão, isolando-se no 1º lugar do grupo, não esquecendo que os dois primeiros sobem de divisão”, finalizou o OLHA.

“Só falto eu, tínhamos três negras para resolver na Feminona, começo pela aquela onde ninguém conseguiu vencer em casa, com o CENAP a vencer duas vezes em Vila Boa do Bispo, recebendo como prémio jogar com o Benfica, atual campeão nacional, nos quartos de final, já nos outros dois jogos prevaleceu o favoritismo dos locais, com o Tojal a derrotar as estudantes, enquanto que ao Gulpilhares bastou um golo solitário para eliminar as miúdas de Massamá, sendo que domingo temos o arranque da próxima fase”, concluiu o ALÉU.

“Muito bem, como gostei muito do vosso trabalho, excecionalmente, vou dizer o que é o almoço”, ri-me eu.

“Se vier do restaurante vou apostar num choco frito”, arriscou o OLHA, com uma sonora gargalhada.

“Não andaste longe, diria que acertaste em dois terços. Chega do Camponês, também é um molúsculo, mas hoje vamos degustar um polvo à lagareiro”.

“Bolas Tio, isso não vale, é dos pratos que mais gosto”, lamentou-se o ALÉU.

“Mas tu és um esquisito e gostas de polvo!?”, questionou a RODINHAS.

“Resolvam lá esse conflito gastronómico, que já vem da semana passada, e até terça-feira”.

“Adeus Tio”, despediram-se eles, enquanto ainda os ouvia a discutirem sobre os gostos e arrelias de cada um.

Altura para ir buscar o almoço, quando já me cresce água na boca.

Não foi de propósito, mas depois de ler as ideias deste jovem treinador, ficou muito bem no FORA DO BANCO desta semana.

Nome Completo: Miguel António Vieira Soares

Clube atual: ACDCP Vila Boa do Bispo

Idade: 22 anos

Local de Nascimento: Vila Boa do Bispo

Prato preferido: Massa com bife de frango

Melhor local para viver: Porto

Livro que está na mesa de cabeceira: Os Líderes Comem por Último

O filme que já viu mais do que uma vez: Velocidade Furiosa

Jogou hóquei em patins? Se sim, em que clube(es): ACDCP Vila Boa do Bispo e HC Marco

Como/quando chegou a opção de ser treinador: Decidi tirar o curso de treinador o ano passado, e comecei a exercer este ano, apesar de já em anos anteriores ter ajudado na patinagem dos clubes onde estava, sempre tive gosto em ajudar crianças e interagir com elas, então juntou-se as duas coisas, gosto pelo hóquei e ajudar as crianças

Clubes/seleções que já treinou: ACDCP Vila Boa do Bispo

Mais fácil treinar equipas da formação ou seniores: Formação, apesar de ser idades difíceis, onde estão na rebeldia, mas é mais fácil moldar os atletas e ainda não há muitos egos nos balneários

Quanto tempo demora a preparar o próximo jogo da sua equipa: Uma semana

Se pudesse, que regra alteraria no hóquei em patins: O azul ser sempre livre direto, acho que é prejudicar duplamente a equipa. Se o jogador não estivesse a ir para a baliza e sofresse falta para cartão, sou de acordo com a exibição do mesmo, mas não dava livre direto

Maior tristeza como treinador: Ver os atletas descontes

E, claro, a maior alegria: Ver a alegria dos atletas quando conseguem fazer algo que pedimos

Para terminar, o que mais o irrita durante um jogo: A falta de atitude dos jogadores. Por muito incapacitados que sejam acho que deveriam de se esforçar até ao fim e nunca dar um lance por perdido.

(3/06/2024) Com os jogos um e dois das meias-finais despachados, está na hora de irmos saber como o AMAGADINHO viu estas quatro partidas.

Pontualmente, como é seu apanágio, aí está ele.

“Boa noite Tio”.

“Boa noite miúdo”.

“Antes de começar, tenho uma reclamação para fazer”.

Há tanto tempo que ele andava sossegado.

“Venha ela”.

“Se duas equipas acham que todos os jogos devem ser decididos nos penáltis, tenho uma sugestão, poupam tempo e cansaço e avançam logo para o desempate por grandes penalidades”, riu-se ele.

“Já percebi que estás a falar dos jogos entre Benfica e Oliveirense”.

“Exatamente. Além das duas partidas terem sido resolvidas na última fase de decisão, tivemos mais semelhanças, na Luz os da casa marcaram primeiro, estiveram a perder e o prolongamento começou com um empate a dois, exatamente como em Oliveira de Azeméis, já no prolongamento não houve entendimento, em Lisboa não houve golos, enquanto que no segundo jogo a duas equipas marcaram mais uma vez. Depois chegaram os penáltis, que deram uma vitória a cada um, com o fator casa a não servir de nada”.

“Já na outra meia-final as coisas foram, por assim dizer, mais normais”.

“Totalmente de acordo, até demasiadamente normais, quem jogou em casa venceu, no Dragão sempre na frente os da casa, apesar de um susto na fase final, já no João Rocha os leões comandaram toda a partida, ficando com tudo empatado, também, para o terceiro jogo, recordando que se joga à melhor de três vitórias”.

“Por este andar, mantendo-se este padrão, vamos chegar ao quinto jogo”.

“Quem sabe? Cá estarei na segunda-feira para falar sobre isso. Abraço”.

“Grande abraço”.

(4/06/2024) Ainda não há muitos carateres acima se falava da alegria das crianças e da sua felicidade, depressa saltámos para o Dia Internacional das Crianças Inocentes Vítimas de Agressão, que longe de ser um dia de celebração, é um dia de protesto, de luto e de reflexão, criado pela ONU em 1982.

Todos os dias as crianças são vítimas de agressão física e psicológica no mundo inteiro, inclusivamente nas suas próprias casas, por obra dos seus pais, pois este dia relembra todas as vítimas infantis de afogamento, envenenamento, espancamento, trabalho infantil e abuso sexual, mas também chama a atenção para a necessidade de proteção e de educação das crianças, que se encontram numa fase frágil, de construção de mentalidade, carácter e de valores.

Garantir um ambiente seguro e são para o crescimento das crianças é um dever dos pais, famílias, comunidades locais, professores, educadores, governantes e população em geral.

Já dei por mim muitas vezes a perguntar, como é possível fazer-se mal a uma criança, um ser tão frágil e indefeso?

Como é possível os adultos, muitas vezes os progenitores, agredirem fisicamente uma criança?

Claro que se trata de uma enorme falta de educação, desde os mais pequenos pormenores, mas percebendo-se a falta de respeito que hoje é incentivada por tantos, contra as mulheres, contra os de raça diferente, contra os que não pensam como nós, percebe-se como esta violência gratuita surge a toda a hora, mas tem que existir uma resposta severa para todos os que causem danos físicos e morais a uma criança.

Deixemos os assuntos sérios – e tristes – para rumarmos à palermice que tem o hóquei como justificação.

“Boa noite Tio”.

“Boa noite juventude, está tudo bem convosco?”.

“Tirando a questão dos gostos gastronómicos, em que não conseguimos um consenso, está tudo em grande”, brincou a RODINHAS.

“Eles querem que eu goste das mesmas coisas que eles gostam, mas eu não estou para aí virado”, respondeu o ALÉU.

“Cala-te, tu tens os gostos estragados”, gozou o OLHA.

“Bem, já vi que quando vierem a Oriola no final do mês, tenho que fazer uma ementa especial para o ALÉU.

“Não ligues Tio, eu gosto de quase tudo”, riu-se ele.

“Nem acredito, que grande lata!”, exclamou a RODINHAS.

“Logo trataremos da ementa, para já vamos dedicar-nos ao nosso desporto de eleição. Como estive de folga no sábado, porque o OLHA é um miúdo porreiro, vou começar eu com a Segundona, dando já um pulo até ao Pico onde a Sanjoanense entrou cedo e bem no jogo, mas o Candelária reagiu ainda melhor, passou para a frente do marcador e leva dois golos de vantagem para São João da Madeira, precisamente a mesma diferença que a Juventude Viana leva para a Parede, foi uma 1ª mão excelente, também os forasteiros a entrarem de forma positiva no encontro, mas ao intervalo os locais já tinham um golo de avanço, reagiu a malta da Linha, empatando jogo pela segunda vez, mas três golos consecutivos da rapaziada da Princesa do Lima resolveram as dúvidas em relação ao vencedor do jogo, ou seja, para a semana as equipas que jogam em casa começam a perder dois a zero. Quem se segue?”.

“Posso ser eu, jogo número um dos quartos de final da Feminona, na Aldeia do Hóquei uma vitória tranquila sobre as cachopas de Gulpilhares, na Luz as encarnadas tiveram dificuldades inesperadas frente ao CENAP, contando com uma Cata de pontaria afinada, a Sanjoanense ganhou no terreno da Escola Livre, consolidando o resultado na parte final da partida, já no Tojal tivemos uma partida muito equilibrada, com a derrota do Académico da Feira, a única equipa que veio diretamente do grupo 1 que não conseguiu vencer”, finalizou o ALÉU.

“Saltamos para a Terceirona, quem está mais perto do título?”.

“Para já o OH Sports, que foi a Ponta Delgada golear o Marítimo com uma entrada muito forte no jogo, permitiu a recuperação dos açorianos, mas resolveu a contenda com quatro golos nos últimos minutos, já em Alcobaça os limianos também começaram muito bem, os amarelos sempre em busca do prejuízo, conseguindo o empate já na parte final da partida, ou seja, duas jornadas, duas vitórias da rapaziada de Oliveira do Hospital, enquanto que os outros três continuam à procura da primeira vitória”, finalizou a RODINHAS.

“Na luta pela subida tivemos em Marrazes um jogo digno de SACADA, uma verdadeira montanha russa de emoções, com a vitória da malta da casa confirmada nos últimos cinco minutos, enquanto que em Lavra tivemos um empate, num jogo do tipo, ora agora marcas tu, ora agora  marco eu, sendo que ao fim de duas jornadas ninguém conseguiu a pontuação total, com leirienses e bês do Sporting na zona de subida, curiosamente as duas equipas que se encontraram nesta ronda, enquanto que lavrenses e torreenses ainda procuram o primeiro triunfo”, concluiu o OLHA.

“Muito bem juventude, cá estaremos no sábado, dia de reflexão, pois domingo temos eleições”.

“Todas a votar malta! Adeus Tio”, despediram-se os três com uma enorme algazarra.

Também eu já tive esta energia toda!

Foi no pavilhão do Sacavenense – onde eu já fui muito feliz – que tivemos uma enorme exibição de Lourenço Soares, guarda-redes e capitão do Sporting B.

Frente à equipa do Lavra, ele defendeu seis livres diretos e um penálti, contribuindo de forma decisiva para entrada da sua equipa com o patim direito na fase de subida.

Merecidamente, digo eu, fica com O VELHO desta semana, até para se perceber como é complicada a vida de um guarda-redes, hoje foi o melhor, três dias depois parece que já nem tanto!

Outras Notícias
Quinhentos Anos e Cinco Oceanos
Ver Mais
África, os Maus e Outro Golpe de Estado
Ver Mais
Duas Rodas Com Azulejos
Ver Mais
Golpe de Estado com Empadão e Protetor Solar
Ver Mais
Trocadilho Para Inglês Ler em Silêncio
Ver Mais
Amor Num Elevador à Volta do Mundo
Ver Mais