Timor para sempre


Enquanto esperava pela chegada dos três, procurava estruturar mentalmente as datas para as próximas Crónicas.

O facto de em breve trocar a quadra do hóquei pelo areal da Nazaré, obriga-me a articular com eles a disponibilidade até ao final da época hoquista.

Enquanto olhava para o calendário, comecei a ouvir um refrão ao fundo do corredor “Aí Timor, calam-se as vozes dos teus avós…”.

“Boa tarde Tio”, cumprimentaram eles.

“Boa tarde juventude. Vocês andam muito musicais. Há uma semana cantavam a Stefania que venceu o Eurofestival, hoje chegam com os Trovante”.

“Quem?”, perguntou o ALÉU.

“Os Trovante, um grupo português, que lançou esse tema que vocês vinham a cantarolar”.

“Ouvimos a música na rádio e ficou-nos no ouvido”, esclareceu a RODINHAS. “Queres-nos explicar o motivo da importância desta música?”.

“Timor foi território português, na sequência do 25 de abril foi dada a independência às colónias, mas no ano seguinte, um desentendimento entre os três partidos políticos timorenses, originou uma guerra civil no país. No final de 1975 foi declarada a independência, mas dez dias depois a Indonésia invadiu Timor-Leste. Depois desta ocupação organizou-se nas montanhas a resistência liderada por Xanana Gusmão”.

“Desse senhor já ouvi falar”, afirmou o OLHA.

“Depois ouve um momento fundamental, em novembro de 1991, que foi o massacre no cemitério de Santa Cruz, filmado por um jornalista britânico que conseguiu divulgar as imagens para tudo o Mundo. Nada foi como dantes, mas depois de muitas pressões, nomeadamente do povo português, foi possível em 1999 a intervenção da ONU no território, sendo que em 2002, fez ontem 20 anos, foi consagrada a independência de Timor-Leste. Muito resumidamente foi isto que aconteceu.”

“E a música?”, voltou a perguntar a RODINHAS.

“Esse tema foi uma espécie de hino da liberdade do povo maubere, curiosamente criado inicialmente, em 1988, como um instrumental pelo João Gil, que mais tarde foi recheado com a letra do João Monge e cantado pelo Luís Represas nos Trovante”.

“As coisas que tu sabes, Tio”, brincou o ALÉU.

“Sabes que o Dr. Google ajuda muito. Bem, relativamente aos jogos para hoje vamos fazer conforme combinámos a semana passada, cada um a falar de um, mas logo à noite vamos também ver quantas Crónicas vamos fazer até ao final da época”.

“Muito bem, cá estaremos”, saíram eles rapidamente a cantarem o refrão de Timor.

Mais uma vez chegamos aos Açores no GPS, onde hoje vamos conhecer o Hóquei Clube PDL, coletividade que surgiu após o encerramento da modalidade no Clube União Micaelense.

Situado em Ponta Delgada, concelho que nos últimos dez anos perdeu 2,3% da sua população, registando no final de 2021 pouco mais de 67000 habitantes.

A última vez que falei da capital açoriana, em termos gastronómicos, sugeri dois restaurantes na zona de São Roque, sendo que hoje vou recomendar o restaurante O Baco.

Dizem que é um bocadinho caro, mas bom!

O último PALPITE DO TIO foi uma verdadeira miséria!

Certo que acertei na vitória do Candelária, mas os números andaram longe, muito longe do resultado final. Já em relação aos marcadores era difícil, em 15 golos, não acertar no António Estrela e no João Silva.

Para amanhã o PALPITE DO TIO vai para o FC Porto vs Paredes, jogo da Zona Norte do Nacional de sub-15, acreditando que os da casa vão vencer (6-1), golos de Tiago Saraiva, Gonçalo Lage e Filipe Sousa.

Dia de grandes emoções, natural quando se chega ao final das provas.

Vim mais cedo para a nossa sala e estive a ver o jogo que me calhou neste sábado.

Aliás, a juventude fez questão de me dizer esta manhã: “Tio, o jogo do Alenquer fazes tu”.

Eu ainda argumentei que não dou muita sorte aos alenquerenses, mas não os consegui convencer.

“Boa noite Tio”.

“Então malta, tudo bem?”.

“Tudo em grande”, avançou o OLHA.

“Antes de falarmos dos jogos que tivemos muito atentos a acompanhar, vamos definir o nosso calendário das Crónicas. Além de amanhã, vamos cá estar no próximo fim de semana, terminando nos domingos, dia 19 e 26 de junho, para depois irmos a banhos, para quem gosta, claro!”.

“Já anotámos Tio”, confirmou a RODINHAS.

“Vamos lá então até aos jogos de hoje. Eu estive – como vocês me pediram – a acompanhar o jogo do Alenquer e Benfica, em Coimbra, que podia dar acesso às duas finais para a subida à 1ª divisão. Foi uma grande festa do hóquei, com adeptos bem-educados e a rapaziada da Vila Presépio a ficar a dois jogos da 1ª divisão. Quem é o próximo?”.

“Posso ser eu”, avançou o ALÉU. “Jogo em Valongo, num Nacional onde todos querem ser campeões, mas já percebi que estes são uns empatas. Empate na Luz, empate no Municipal valonguense, com os prolongamentos a enviarem a decisão para Lisboa, num terceiro e decisivo jogo”.

“Boa análise. Vamos à RODINHAS”.

“Também estive na rota do título, mas eu fuçi até à beira do Nabão. Confesso que não sabia, mas os miúdos explicaram-me. Foi um jogo emotivo, mas onde quase que esgotaram os golos na 1ª parte, com o FC Porto a ser o primeiro a chegar às meias-finais”.

“Eu estive à beira Tejo, no Seixal, onde o Oeiras ainda sonhava com uma distração do Alenquer”, explicou o OLHA. “Se alguém esperava um bom jogo, o que dizer de um que teve catorze golos? Se uns já estavam despromovidos, os outros também nunca acreditaram que ainda havia esperança. Quando assim é, chega um empate e não uma divisão de pontos como oiço tantos senhores dizer na televisão”.

“Só por esta parte final, já valeu a pena essa análise. Muito bom! Vamos descansar que amanhã há mais”.

“Até amanhã Tio”, saíram eles em correria, com a Stepania em fundo.

No FORA DO RINQUE de hoje vamos conhecer uma emigrante.

Não é fácil estar longe do seu País, mas quando fazemos o que gostamos não há fronteiras.

Nome Completo: Íris LopesMendes Olhicas

Clube atual: Club Patín Alcorcón (Espanha)

Alcunha (se tiver): Não tenho

Idade: 22 anos

Local de Nascimento: Aveiro

Clube estrangeiro futebol: Real Madrid

Jogador português futebol: Cristiano Ronaldo

Jogador estrangeiro futebol: Mbappé

Jogador de outra modalidade, português ou estrangeiro: Pedro Gil

Prato: Esparguete à Carbonara

Sobremesa: Baba de Camelo

Bebida: Coca-Cola

Filme: Star Wars

Ator: Adam Sandler

Atriz: Ruby Rose

Série televisiva: Modern Family

Livro: Não tenho

Cidade portuguesa: Aveiro

Cidade estrangeira: Madrid

Animais de estimação: Cadela

Jogo de computador/consola: Call of Duty

Hobbies: Pintar

Outra modalidade desportiva, se não fosse o hóquei: Futebol

Aquele momento ou jogo, de hóquei, que nunca vais esquecer: Quando a minha equipa ganhou a fase de subida para a OK Liga feminina em Espanha.

Chegou hoje a sexagenário, em termos de golos nesta época.

Marcou esta tarde cinco golos, fundamentais para o objetivo do seu Alenquer.

Pela segunda vez Mário Rodrigues – o Marinho do aléu – leva O VELHO para casa.

Outras Notícias
Até já...
Ver Mais
Aos tombos
Ver Mais
Oriola dois anos
Ver Mais
Inadmissível!
Ver Mais
Bué de monitores
Ver Mais
Aveiro à segunda
Ver Mais